Vida Escola | Mastigação correta: importância para as crianças vai além da alimentação

Hoje em dia, muitas crianças mastigam rápido demais e até com a boca aberta, então surgem as dúvidas: Quais os prejuízos de uma mastigação muito rápida? Como posso ajudar meu filho a comer melhor? Quais os prejuízos para criança quando come rápido?

O treino começa muito cedo, quando o bebê começa a levar suas mãos e objetos à boca; os mordedores com diferentes formatos e texturas, serão importantes estímulos na cavidade oral, preparando-a para perceber os diferentes alimentos. 

Esse processo de aprendizado da mastigação terá adaptação às condições anatômicas, pelas quais a criança passará, por exemplo com o surgimento dos dentes, que ajudarão nas diferentes texturas dos alimentos e nos movimentos que a criança realizar.

Quando mastigamos, além da importante função de quebrar os alimentos em pedaços menores, para facilitar a digestão dos nutrientes, também fortalecemos os músculos da face e oral (orofaciais). Esses músculos participam na sucção, mastigação, deglutição (ato de engolir), respiração e fala. Assim, quando uma criança não mastiga direito, ela poderá prejudicar o processo de digestão dos alimentos e poderá apresentar alterações na musculatura envolvida.

E quando começar a introdução alimentar?

A Organização Mundial da Saúde (OMS), orienta a amamentação exclusiva até 6 meses de idade, após esse tempo, a alimentação complementar deverá ser introduzida lenta e gradualmente. No início será mais pastosa, mas a consistência será gradualmente modificada, até chegar à alimentação da família.

A mastigação, portanto, se apresentará nessa fase de adaptação, servirá de estímulo para o desenvolvimento craniofacial e auxiliará o crescimento dos ossos da face e do posicionamento dos dentes. 

Por que introduzir alimentos sólidos?

Crianças que se alimentam exclusivamente e de forma contínua com dieta mais pastosa, com alimentos liquidificados ou com mamadeiras, não exercitam os músculos orofaciais adequadamente, influenciando na realização das funções da boca, como a fala. Esse alerta vale inclusive para pais e cuidadores que permitem que as crianças substituam as refeições por mamadeiras e ao fazer isso, deixam de realizar a função mastigatória.

A criança tem o adulto como modelo para muitas, senão todas, as ações e percepções que tem, e a mastigação é uma dessas ações. Por isso as refeições devem ocorrer em família, todos sentados à mesa. É importante também dar autonomia para criança explorar os alimentos e levá-los à boca. 

Os pais podem auxiliar seus filhos no processo de aprendizagem da mastigação observando e tomando algumas atitudes, por isso deixo algumas dicas abaixo:

  • Ofereça um local adequado, para que a alimentação ocorra com tranquilidade
  • A refeição deve ocorrer sem outros estímulos no ambiente, como tabletes, filmes e canções, que possam distrair a criança do ato de comer
  • Ofereça vários tipos de alimentos com sabores e texturas diferentes, de acordo com a idade
  • Substitua o uso de mamadeiras por alimentos que a criança possa mastigar
  • Caso a criança tenha muita dificuldade em realizar a mastigação, mesmo passada a fase de introdução alimentar, os pais podem buscar orientação com profissionais, como fonoaudiólogos, especialistas em Motricidade Orofacial.

A mastigação correta é fundamental para o desenvolvimento da criança e adaptação às diferentes texturas de alimentos que lhe serão apresentadas e é missão dos pais e cuidadores prezar pela saúde dessa ação.
Fonte: Minha Vida

Deixe um comentário
5 formas de negligenciar os filhos que todo pai e mãe devia evitar

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>